Tesouro Direto quase triplica volume de vendas em maio

por TBS Consultoria

Por Sérgio Tauhata

As vendas do Tesouro Direto fecharam maio com um recorde histórico. Foram R$ 2,411 bilhões em emissões realizadas no sistema de vendas on­line de títulos públicos para pessoas físicas, segundo o relatório mensal da dívida pública federal. A melhor marca anterior, de R$ 1 bilhão, havia ocorrido em março.

As vendas no mês passado quase triplicaram em relação a abril, quando as emissões alcançaram R$ 828,64 milhões. O resultado mostra forte impulso na negociação dos papéis no segundo mês após a implantação da liquidez diária dentro do sistema e da mudança de nomes dos títulos para facilitar a compreensão dos aplicadores, alterações que passaram a valer em 30 de março.

Na comparação com maio do ano passado, as vendas do Tesouro Direto cresceram nada menos que seis vezes. As emissões no quinto mês de 2014 já haviam crescido 111% em relação ao mesmo mês de 2013.

Apesar do aumento nas vendas, maio registrou um resgate líquido de R$ 577,83 milhões. O resultado, no entanto, foi impactado pela concentração de vencimentos de papéis indexados à inflação Tesouro IPCA + (NTN­B principal) e Tesouro IPCA + com juros Semestrais (NTN­B), que somados, alcançaram R$ 2,788 bilhões.

As recompras efetivas ficaram em R$ 200 milhões. Se fossem descontados os vencimentos das NTN­Bs, teria havido uma captação líquida de R$ 2,21 bilhões.

Segundo o relatório do Tesouro, os títulos mais demandados pelos investidores foram os remunerados por índice de preços, que responderam por 70,63% do montante vendido.

Embora a concentração de negócios tenha ocorrido entre as NTN­Bs, os papéis indexados à taxa básica de juros, o Tesouro Selic (LFT) registraram aumento expressivo de negociação em maio, quando comparado aos meses anteriores. Em relação a abril, os R$ 466 milhões em vendas de LFTs representam um crescimento de 110%. As emissões líquidas do título indexado à Selic se situaram em R$ 421,1 milhões no mês passado, um salto de 132,6% ante os R$ 181,47 milhões de abril.

Os títulos Tesouro Prefixado LTN) também registraram forte aumento de emissões no mês passado. Os R$ 224,7 milhões em vendas significaram um crescimento de 125% em relação aos R$ 99,92 milhões de abril. Em termos de vendas líquidas, as LTNs superaram em 175% o desempenho do período anterior.

Com os vencimentos concentrados de NTN­Bs, o estoque de títulos do Tesouro Direto recuou para R$ 17,179 bilhões em maio, ante R$ 17,58 bilhões em abril. Os títulos com maior participação no estoque são as NTN­Bs Principal, com 41,76%, seguidas das NTN­Bs, que detêm fatia de 18,12%. As prefixadas LTNs vêm em terceiro, com parcela de 17,68%, enquanto as LFTs alcançam 16,86% do total. Com 5,09% aparecem as prefixadas com juros semestrais NTN­Fs e por último, com apenas 0,48%, as NTN­Cs, papéis indexados ao IGP­M com juros semestrais.

O Tesouro Direto contou com a entrada de 12.682 novos participantes em
maio. Com a adição, o total de investidores cadastrados chegou a 508.458. O número representa um incremento de 26,47% em relação ao mesmo período do ano anterior e um acréscimo de 2,6% ante abril.

O perfil dos investidores pouco se alterou. Os homens continuam a maioria com participação de 78,67% ante 21,33% do sexo feminino. A faixa etária mais representativa também manteve-se concentrada entre 26 anos e 45 anos, que detém mais de 60% dos aplicadores. O segundo perfil mais numeroso, que vai de 46 anos a 65 anos, atingiu 27,5% do total de cadastrados no sistema.

Fonte: Valor Econômico
Acesso: 24 Jun. 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *