Afinal, quais as principais diferenças entre fusões e aquisições?

por José Roberto Cezar

Compartilhe informação!!

Fusões e AquisiçõesEstamos observando um novo cenário econômico no país, com um mercado mais aberto e descentralizado. Por essa razão, é comum ler notícias sobre fusões e aquisições sendo firmadas entre empresas locais ou estrangeiras.

Essa prática se torna mais comum em cenários de crise, uma vez que as sociedades saem em busca de otimizar as finanças, além de se afastar de processos e problemas judiciais. Ou seja, procuram a maneira mais efetiva de serem produtivas.

Todavia, as companhias que vão embarcar nesse caminho tendem a ignorar a importância de diferenciar esses termos, suas finalidades e a complicação que isso gera em todos os departamentos do negócio.

Portanto, neste artigo, vamos abordar as diferenças entre processos de fusões e aquisições, mostrar dicas para realizá-los da melhor forma e ainda explicar a importância de contar com uma consultoria assistencial nesse momento. Aproveite a leitura!

Como diferenciar processos de fusões e aquisições?

Apesar de os termos aquisição e fusão serem utilizados de maneira semelhante por terem sentido aproximado, eles são diferentes — gerando resultados totalmente distintos, dependendo dos propósitos. A seguir, entenda as propostas.

Fusão

Para que um processo seja classificado como uma fusão, duas ou mais empresas diferentes precisam executar uma troca de ações que vão dar início a um outro negócio. Consequentemente, a união dessas instituições obriga que elas deixem de existir juridicamente, de forma individual.

Normalmente, essa união acontece porque as envolvidas compartilham o campo de atuação, os valores e a cultura. Diante disso, cria-se um grupo de maior porte, mais sólido e polido para oferecer produtos e serviços no mercado.

A ocorrência mais atual de uma possível fusão é a do Deutsche Bank e Commerzbank. A divulgação formal das negociações aumentou a probabilidade de que essa fusão possa ocorrer dentro de algum tempo.

Aquisição

Na aquisição, diferentemente da fusão, uma determinada empresa compra as ações, partes ou até mesmo setores de outro negócio. Realizado todo o processo de negociação, ocorre uma integração da adquirida às operações da idealizadora.

A instituição que foi aderida pode coexistir com a empresa que a comprou ou ser extinta e englobada às atividades. A aquisição sempre tem alguma finalidade estratégica, seja por afinidade com os serviços da outra companhia ou para se adentrar em um novo segmento e aumentar a participação no setor.

Um exemplo de aquisição a ser comentado é a negociação de compra da Beats By Dr. Dre pela Apple Inc. — no caso, a empresa resolveu manter a outra fornecedora de produtos e, assim, entrar no market share (quota de mercado) de áudio.

Como efetuar esses processos?

Realize um procedimento de due diligence

O processo de due diligence, conhecido também como auditoria legal, é definido pela averiguação de documentos e diferentes informações da companhia. O objetivo dessa verificação é determinar os riscos de realizar procedimentos referentes a fusões e aquisições, reorganização estrutural e jurídica.

A due diligence vai reunir todos os informes possíveis para eliminar qualquer eventual problema relacionado à transação do negócio. A auditoria, normalmente, verifica os eixos dentro de uma sociedade, como planejamento empresarial e tributário, judicialização de demandas, e obrigações trabalhistas, sociais e ambientais.

Essa reunião de pontos fortes costuma facilitar a efetivação dos processos citados. Assim, o encarregado vai ter uma análise crível do ponto de vista legal, conhecendo todos os envolvidos e a organização.

Faça um estudo de viabilidade jurídica

Fazer um estudo de viabilidade jurídica é um ponto necessário para processos de fusão ou aquisição, e costuma ser o diferencial entre empresas que tiveram sucesso e as que falharam nessa empreitada.

A viabilidade jurídica realiza um exame meticuloso de acordo com a legislação vigente de cada país. Com isso, são explanados inúmeros tópicos para que a instituição possa lidar com os trâmites e estar em conformidade com as leis estabelecidas.

Defina as responsabilidades

Geralmente, lidar com mudanças é algo penoso se não é feito da maneira correta e efetiva. Ainda mais quando se trata de uma empresa realizando essa remodelação, pois envolve funcionários e culturas diferentes.

Sendo assim, para se estabelecer uma transição tranquila, com gerenciamento produtivo e administrando melhor o tempo, é fundamental ter um líder. No momento em que todos tiverem ciência da mudança, o gestor pode delegar as responsabilidades concretas para cada pessoa específica.

Isso pode ser preparado de muitas formas diferentes, de modo a abranger vários modelos. Por exemplo, ao invés de manter grupos grandes e complexos, pode-se quebrar a organização da empresa em pequenas equipes, com diálogos mais diretos alinhados à recente cultura.

Mantenha uma comunicação clara

Os processos de fusões e aquisições costumam trazer instabilidade e insegurança dentro do ambiente de trabalho, principalmente para a base da hierarquia estabelecida. Isso é algo muito estressante, que reflete em toda a produtividade dos setores e prejudica o procedimento que está sendo exercido.

Evitar o receio sobre o futuro da organização é algo extremamente simples e fundamenta-se em manter uma comunicação clara e aberta. Por isso, todos os envolvidos devem ter acesso aos passos a serem tomados, incluindo administradores, investidores, colaboradores e fornecedores.

Dessa forma, o impacto das mudanças que entrarão em vigor na empresa será dissolvido ao mínimo, permitindo que a produtividade seja mantida de maneira semelhante ao que era antes e evitando gargalos decorrentes desse tipo de processo.

Qual é a importância de uma consultoria nesse momento?

Ter um espaço em harmonia para colocar em prática esses processos é fundamental para a sua solidificação e sucesso. Apesar de demandarem uma atenção detalhada, já que é preciso estabelecer valores de compra ou divisão de percentuais, eles moldam o mercado para deixá-lo mais dinâmico.

Contudo, por envolver participações em ativos, responsabilidades, soluções jurídicas previstas e adesão de novos contratos, contar com uma consultoria é uma ótima solução. Dessa forma, evita-se impasses no desenvolvimento do procedimento e no futuro almejado.

A consultoria especializada oferece apoio em diversas etapas no processo de fusões e aquisições, realizando planejamentos estratégicos, análises das variáveis de mercado e melhor legislação empresarial. O know-how desse importante processo, portanto, traz uma gestão efetiva, visando sempre manter a continuidade do negócio.

Agora que você sabe quais são as principais diferenças entre fusões e aquisições, entre em contato conosco e conheça as melhores soluções em consultoria!

Informativo

Download


Compartilhe informação!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *